DA REDAÇÃO

Um a cada sete homens será afetado pelo câncer de próstata, de acordo com os dados do Instituo Brasileiro de Controle do Câncer. Este prolema é responsável por 25% dos casos de tumor entre o público masculino, sendo mais comum em homens acima dos 50 anos.

Por isso é muito importante que os homens façam exames para detecção da doença. A mais famosa é o exame de toque, no qual o exame é realizado por um urologista. Através do toque, a próstata poderá ser avaliada internamente. O exame não causa dor, contudo, é desconfortante se o ânus não estiver relaxado. O médico usar luvas, lubrificando seu dedo e introduzindo no reto do paciente. A pessoa que estiver realizando o exame precisa fazer um esforço parecido ao feito na hora de defecar, facilitando a protusão da mucosa. Se o paciente sentir dor na hora do toque ou o médico não consegue introduzir o dedo por inteiro no reto por conta de inchaço, é um sinal de alerta.

Outro tipo de exame é o PSA,  que é a dosagem de uma proteína do sangue produzida pela próstata. Se o PSA estiver com nível alto, poderá ser um indício de câncer. Contudo, os médicos afirmam que o exame de PSA e de toque devem ser realizados no mesmo período.

Quem tiver familiares que sofreram com a doença precisam ter um cuidado redobrado. Homens com parentes de primeiro grau (pai ou irmão) que tiveram o câncer de próstata, acabam elevando em duas vezes o risco de desenvolver a doença. No caso de três parentes – não necessariamente de primeiro grau – a chance aumenta em cinco vezes.

Com o crescimento de campanhas nos veículos de comunicação, muitos homens estão deixando o preconceito de lado e aderindo aos exames de rotina. Contudo, os números ainda vêm abaixo da expectativa. Isto porque apenas um em cada quatro homens vão ao consultório anualmente fazer o monitoramento.

Por isso o Novembro Azul serve para conscientizar os homens com mais de 40 anos a necessidade de realizar os exames de toque e PSA.

Print Friendly, PDF & Email